NOSSA LUTA

quarta-feira, 16 de maio de 2012

O BRASIL TEM QUE SER + RESPONSÁVEL COM A INFANCIA!!!

 
 E QUEM É QUE VAI ACABAR COM ISSO?
 
1 – Temos no Brasil 60 milhões de menores, de 0 a 17 anos.

2 – Destes 60 milhões de menores, 20 milhões são filhos de pais separados, sendo que 16 milhões sofrem da Alienação Parental em algum grau. Apenas 4 milhões passam ilesos pelas separações litigiosas.

3 – Anterior à Lei da Guarda Compartilhada, Lei 11698, de 13.06.2008 ...as guardas unilaterais com as mães chegavam a 95% no Brasil, as guardas unilaterais com os pais somavam 2,5% e outros guardiões 2,5%.

4 – Em 2011, com a influência das Leis da Guarda Compartilhada Lei 11698, de 13.06.2008 e da Lei da Alienação Parental Lei Nº 12.318, de 26 de agosto de 2010 (Texto da Lei da Alienação Parental) as porcentagens mudaram significativamente no Brasil. 
81% das guardas unilaterais ficam com as mães, 12% são Guardas Compartilhadas, 4,5% guardas unilaterais com pais e 2,5% com outros guardiões.

3 comentários:

mahgaroh disse...

Em 2011, com a influência das Leis da Guarda Compartilhada Lei 11698, de 13.06.2008 e da Lei da Alienação Parental Lei Nº 12.318, de 26 de agosto de 2010 (Texto da Lei da Alienação Parental) as porcentagens mudaram significativamente no Brasil.

Anônimo disse...

Diante de uma sociedade patriarcal, onde a guarda única tem forte viés sexista, eu não tenho dúvidas: nos raros casos onde a guarda única é dada ao pai, existe ação do poder econômico e/ ou tráfico de influência no judiciário.
Não podemos ser ingênuos em imaginar que o judiciário tem um compromisso maior com as crianças do que com o pensamento conservador e autoritário.

Nuno Vilaranda disse...

Bom dia

Solicitava com urgência a fonte destas estatisticas para poder colocar no meu livro que vai ser lançado em breve no BRASIL, no decorrer do evento da Associação Brasileira Criança Feliz.

Sou autor do livro PAI, VEM ME VER.. em Portugal.

Responder se possível para:

nvilaranda@gmail.com

https://www.facebook.com/paivemmever

www.paivemmever.com

Obrigado

Nuno Vilaranda