NOSSA LUTA

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

A JUSTIÇA É CEGA PARA TODAS AS APARÊNCIAS EXTERNAS?





  JUSTIÇA É CEGA PARA TODAS AS APARÊNCIAS EXTERNAS?







Eu sou também, uma crente da justiça divina, além de ser uma mulher espiritualizada nos ritos da Mãe Terra, e por isso creio que a Justiça está ligada à terra e por este motivo é conhecedora das paixões e instintos do ser humano sendo assim, Ela não julga sem antes compreender, e tem o seu intelecto insubornável; bem isso é o que eu penso sobre a Justiça.

MAS SERÁ, QUE A JUSTIÇA É CEGA PARA TODAS AS APARÊNCIAS EXTERNAS?


Porém, a minha vida tem sido lentamente destruída pelas injustiças da Justiça - Sou uma Bruxa – no sentido lúdico do codinome – e por incrível que pareça me sinto amarrada a uma cruz em pleno século 21, fincada num monte de madeira e palha embebidas de óleo, e com as mãos da INJUSTIÇA, com o fósforo acesso, LOUCA para atear fogo nesta Bruxa!




Sempre vi o bom e o belo em todas as religiões, e respeito todas!

Como ainda sou uma estudiosa das ciências das religiões, revejo a minha historia pessoal, passando por todos os Mitos já conhecidos pela injustiça, desde Medeia a Ártemis e Perséfone, também Hera e Semele.







Eu e minha filha, (hoje com 09 anos de idade) somos vítimas das injustiças de vizinhos, conselhos tutelares formados por indivíduos agregados a currais eleitorais, assistentes sociais e psicólogos jurássicos, porém todos, com a empáfia de fazer revirar num tumulo o melhor de um gênio como Aristóteles, somos vitimas também de péssimos advogados, mal formados e informados, sem educação alguma com o tipo de “cliente” indesejados que afinal somos nós os - pobres - e por fim o golpe mais difícil de “engolir”, - Os indecisos e desinformados membros do MP que atuam ou atuaram neste doloroso processo 1893/09, que tramita em – segredo de justiça? – na segunda Vara de Família do Fórum na cidade de Campinas/SP.

Estou afastada por golpes de má fé do genitor, da vida cotidiana de minha filha desde 2007, quando o mesmo, num ato de embusteiro que é, levou minha filha provisoriamente por 180 dias desde o dia 13 de julho de 2007, mas que continua (com todo apoio das INJUSTIÇAS) com esta guarda provisória até os dias de hoje, onde sempre agiu com atos de má fé desde o inicio do referido processo até hoje; Sempre revido veementemente apresentando sempre a justiça à verdade dos fatos, tanto é fato que até os dias de hoje o processo não teve AINDA uma decisão final, coisa que mesmo dentro das minhas limitações de leiga, não deveria ter passado dos tais 180 dias “provisórios”; - Eu, já fui acusada de abandono de minha filha; mas quando ela foi “arrancada” de meus braços, era uma criança matriculada regularmente em escola de referencia, a cinco quarteirões de nossa residência, a carteira de vacinação sempre esteve em dia, tem um plano de saúde particular, e desde os 03 anos de idade já possuía RG e CPF, além de ser absolutamente mantida em higiene impecável e de ser linda, e maravilhosa, uma criança muito inteligente e educada.

É difícil de crer nesta minha narrativa; - Mas é tudo verdade; e isso só aconteceu, por conta de 03 salários arbitrados de pensão alimentícia, que o genitor, já na época dos fatos pedia revisão para REDUZIR o valor alegando quase miséria total, isso tudo apoiado por sua esposa, que na época já não tinha mais os seus órgãos reprodutores (ovários e útero), só que tal fato foi omitido por ela durante todo o processo: - sito este fato por conta de hoje em dia ela “implantar” na cabecinha de minha filha, que ela é a verdadeira mãe dela, pois afinal “mãe” é quem cria, portanto, que minha filha avalie (aos 09 anos), que ela é a sua mãe de verdade!


Só a justiça, não percebe estas injustiças.

Vale dizer também, que durante este processo troquei de advogados umas 08 vezes, até perceber com muita dor, que jamais terei um advogado “dativo”, que se dedique e abrace a causa, como ela merece, porque afinal o Estado lhes remuneram muito pouco, enquanto a defesa do autor cobra acima de Cr$1000,00 para colocar qualquer petição no processo, o advogado “dativo” não recebe nada, a não ser o valor determinado pela Defensoria Publica: - Resultado: Eu conclui como já disse que neste jogo de “implorar” ao meu defensor para apontar cada “injustiça” ocorrida, ele demora tanto, tanto em se decidir, que o autor coloca com toda a sua má fé no processo, passa a ser uma verdade “empírica”, mas torna-se uma “verdade”, - O descaso é tanto que a antepenúltima advogada que atuou no processo poderia ter findado desde o ano passado, quando afinal saiu um LAUDO, absolutamente favorável ao retorno de minha filha para a minha companhia, mas o descaso e a incompetência dela foi tamanha, que além da tal vitória não ter sido alcançada, ainda perdi o direito de passar os fins de semana com a minha filha, por sugestão da mesma, que peticionou ao juiz do processo que as visitas fossem monitoradas, e a cada 15 dias, por apenas três horas; - A minha indignação foi e ainda é tanta que eu jamais quero cruzar na minha vida com tal ser humano! - E os descasos não param por ai; - O advogado dativo, não te acompanha em - NADA, fora das dependências do Fórum, não atende celular em fins de semana, - justo quando ocorrem às tais visitas; Ou seja, - se algo ocorre, durante a visita, Eu fico a mercê de pessoas que desconhecem o processo; - Tipo o 190 conselho Tutelar de plantão que raramente atende, ou um juiz de plantão, que com certeza jamais irá atender uma mãe desesperada implorando por ajuda nos portões fechados do fórum, nos finais de semana! – Penso que todos nós, pais que temos causas nas varas de família, deveríamos ter todos os telefones de juizes promotores e outros órgãos para pedir socorro, mesmo que eles não nos atendam, o que sabemos que é totalmente plausível tal fato; - Merecemos mais respeito! - Quando o caso é ir para uma delegacia de policia, ai então você esta mesmo nas mãos do acaso, do por vir, ou talvez do Diabo em pessoa; Pois, somos mal atendidos, - isto,quando somos atendidos – Os servidores são na grande maioria muito mal educados, despreparados, desinformados, e sem o mínimo de humanidade!


Penso que por conta de todo este Drama Humano, que eu venho enfrentando com muita dor, mas também com muito apoio de amigos inclusive os virtuais; Eu tive este sonho, que me pareceu tão real, Eu, não poderia de maneira alguma olvidar de compartilhar, com meus amigos físicos e os virtuais: - E vou mais longe; ouso pensar que ele contempla pessoas que já conheci pessoalmente e também virtualmente e que vivem ou viveram este mesmo Drama Humano.



Apesar de todas as mentiras ditas neste processo, pelo genitor de minha filha; Eu ainda o respeito apenas pelo fato de ser o pai dela, afora este fato eu o desprezo profundamente e lamento muito, muito que a minha filha esteja aprendendo com ele, a mentir, dissimular e “se achar”... Isso dói, no fundo de minha alma!

 


A esposa do genitor (primeira foto desta sequencia de cima para baixo) – a dita MADRASTA – esta não tem nem o meu respeito e muito menos o meu agradecimento, pois se trata da criatura mais DISSIMULADA, que já conheci, e é sem dúvida alguma a principal ALIENADORA de minha inocente filha!
A filha do casal, - desta, sinto uma profunda pena, pelos pais que ela tem!
A avó paterna de minha filha. - Uma senhora, de idade avançada, e que foi quem criou a pobre filha do casal; - E hoje se vê ainda OBRIGADA a cuidar de minha filha; - Dela?; - Eu sinto um misto de carinho e desprezo, pois ela é extremamente bipolar, e apóia todos os atos de ALIENAÇÃO, de toda a sua família; - Inclusive ela é a grande responsável por implantação de falsas memórias na cabecinha de minha inocente filha, - Ela, é uma ALIENADORA sem noção!








Agora passarei a DESCREVER O MEU “SONHO”, que denominarei; O meu confronto pessoal com a JUSTIÇA!





- “Eu, já tinha sido torturada na RODA DA VIDA – conhecida também no tarô, como a RODA DO DESTINO E DA VIDA – e já havia sido submetida ao eterno subir e descer, que por vários anos já me deixou completamente feliz e também completamente desesperada”! - Foi quando neste sonho, pedi socorro a Deusa dourada que ficava bem no alto desta RODA DO DESTINO E DA VIDA - Ergui minha cabeça e fiz a esta Deusa, duas perguntas - a primeira foi: Como posso sair desta RODA?
- a segunda foi: O que eu tenho que fazer para trazer a minha filha para a minha casa, para retomar o controle de minha vida familiar?

- NUNCA PELO CAMINHO DIRETO – respondeu a Deusa, no topo da RODA, com um sorriso de Moraliza, estendendo-me sua espada; - Antes é necessário que você aprenda a distinguir entre o que está certo e o que está errado para você em particular; Tome a minha espada e use-a de acordo com a sua verdadeira consciência – Muito indecisa, fiquei perambulando durante algum tempo com a espada; Pois não queria usá-la, temendo os erros e enganos que eu pudesse cometer, e também porque não queria usar de maneira errada seu fio muito afiado; Foi quando eu tive uma VISÃO: Num templo, no alto de uma grande montanha eu vi uma mulher sentada entre duas colunas de pedras, uma preta e a outra branca; Essas colunas se erguiam até o infinito e não serviam para sustentar o Templo de qualquer proteção; A figura flamejante estava sentada feito uma rainha sobre um trono quadrado; - Eu inicialmente pensei que se instalara no trono do Imperador da carta IV do Tarô; - Mas depois reconheci que Eu estava na sala de um Tribunal e quem fitava na minha frente era Justiça Superior; Seus olhos estavam vendados, mas no meio da testa brilhava o terceiro olho, tal uma estrela clara dentro de um círculo com um ponto no centro; Na sua mão direita, ela segurava uma espada e, na esquerda, uma balança dourada.

 Diante dela, estava parado o genitor de minha filha, perguntando-a: - “Juíza suprema, que devo fazer agora? – É necessário que eu escolha entre duas amadas e quando abandono uma delas, sinto imediatamente a vontade de tê-la outra vez ao meu lado; Mas quando escolho a outra, meu coração chora pela primeira” – A majestosa figura com seu traje vermelho-púrpura continuou sentada e imóvel, e um grande silencio se instalou no salão; - Depois de muito tempo, ouviu-se uma voz: - “Olhe para dentro do seu coração” – Fez-se uma outra longa pausa, durante a qual o genitor de minha filha fechou os olhos!
 As conchas da balança da grande juíza começaram a oscilar, como se um peso estivesse sendo colocado alternadamente em cada uma delas; O Genitor de minha filha estava visivelmente comovido, abalado por uma intensa luta interior; finalmente soluçou, caiu de joelhos e inclinou a cabeça, como se tivesse ouvido um veredicto!


 As conchas da balança tinham voltado a ficar imóveis, no seu estado de equilíbrio anterior; - “Você está vendo esta espada? – perguntou à mesma voz; Pegue-a e se utilize dela para se separar de tudo o que impede que você percorra o caminho certo” – Como por um passe de mágica, apareceu na mão do genitor de minha filha uma espada idêntica à que estava na mão da Juíza; Ele virou as costas e deixou o salão para fazer tudo o que precisava fazer – Talvez, também, para cometer os erros que precisavam ser cometidos ainda por ele.


- “Eu dei então um passo à frente e me coloquei diante do trono da JUSTIÇA; - “Juíza suprema, eu já disponho de uma espada, mas não sei o que fazer com ela”“? - EU disse, Como podes ver, eu sou uma mãe sofredora, que trago no meu peito uma ferida tão latejante e ainda incurável por você ter tirado dos meus braços, ainda em tenra idade a minha filhinha, a paixão de minha vida, aquela que me seguirá até os fins de meus dias, minha companheirinha, a minha luz, Já me chamaram de louca por não temer a sua fúria e parcialidade, veja por si mesma, estou descalça, nua, tenho apenas este véu sob minha cabeça, para lhe demonstrar a minha verdade, não sou uma guerreira e nem tão pouco uma heroína; quero apenas a minha filha de volta, para vivermos juntas, felizes como éramos antes...


- Eu achei que a insubornável certamente reagiria com grande bondade a um pedido tão sincero e tão modesto e já estava sentindo um pouco de alivio na minha profunda ferida latejante; - No entanto, a figura se iluminou com um fogo no qual se joga um pouco de óleo, - A JUSTIÇA se ergueu em meio às labaredas de uma ira sagrada; - “Aprenda a estabelecer limites”, disse a voz; “Aprenda a dizer NÃO, sempre que esse NÃO for necessário!”.
- Espantada, mas não assustada, eu havia recuado alguns passos, mas ainda me sentia o suficientemente atrevida para retrucar: “Mas, para atingir a grande revelação, não deveríamos dar valor a TODAS as coisas, concordando com tudo e tudo aceitando?”.

- A justiça estendeu sua balança na minha direção e eu vi numa das conchas o SIM se tornava cada vez mais e mais pesado; ao mesmo tempo em que isso acontecia, eu ia me tornando mais leve, a ponto de qualquer leve sopro de vento conseguir me impelir para onde quisesse, uma vez que eu era incapaz de opor-lhe a menor resistência; Depois aconteceu uma transformação na balança e o NÃO foi ficando cada vez mais e mais pesado, ao passo que eu ia endurecendo e me tornando cada vez menos maleável, a tal ponto de que coisa alguma deste mundo podia fazer com que eu modificasse a minha posição; Fiz então uma profunda reverencia diante da JUSTIÇA e lhe agradeci pela AJUDA; Em seguida, peguei a espada e saí em direção ao mundo para treinar as duas coisas: O dizer SIM e o dizer NÃO; - A RAIVA e a COMPAIXÃO, para aprender a não permitir que os outros me enganassem, mas também para reconhecer que eu não deveria me manter inabalável, atrapalhando o caminho a ser percorrido por mim!


Também, percorridos pela Justiça, pelo genitor de minha filha agindo de má fé o tempo todo, pelos advogados ruins (que passaram e ainda irão passar por este processo) que não gostam de atender aos telefonemas dos clientes Dativos em qualquer horário e jamais retornam as ligações e para responderem a e-mails é uma luta, e ainda, que consideram Sábado e Domingo dia de descanso sagrado; observar quais vizinhos que eu jamais disse sequer um bom dia, foram à delegacia, fazer B.Odizendo que abandonei meus filhos, sem sequer jamais ter colocado os pés dentro de minha residência; prever e crer pouco em Laudos feitos por profissionais sem especializações e currículo impecável; aprender a recorrer ao CNJ-Conselho Nacional de Justiça, OAB, Corregedorias, sempre que necessário for, independente do conselho do advogado dizendo que ao tomarmos estas atitudes juizes, promotores, advogados, tomam “BIRRA’ do processo e ai é que procrastinam de verdade”!




- Uma observação desta imagem primordial: A instancia julgadora no nosso intimo muitas vezes determina castigos muito mais severos do que os escolhidos em qualquer outro lugar; - As leis do KARMA não afirmam que precisamos ser castigados por tudo o que fizemos, mas que, em algum momento, precisamos nos perdoar por tudo aquilo que cometemos; - A JUSTIÇA não existe no céu, mas dentro de nós mesmos, e se transforma num JUIZ bondoso e benigno somente na medida em que conseguimos um desenvolvimento espiritual a cada dia mais elevado!




Um comentário:

mahgaroh disse...

A esposa do genitor (primeira foto desta sequencia de cima para baixo) – a dita MADRASTA – esta não tem nem o meu respeito e muito menos o meu agradecimento, pois se trata da criatura mais DISSIMULADA, que já conheci, e é sem dúvida alguma a principal ALIENADORA de minha inocente filha!
A filha do casal, - desta, sinto uma profunda pena, pelos pais que ela tem!
A avó paterna de minha filha. - Uma senhora, de idade avançada, e que foi quem criou a pobre filha do casal; - E hoje se vê ainda OBRIGADA a cuidar de minha filha; - Dela?; - Eu sinto um misto de carinho e desprezo, pois ela é extremamente bipolar, e apóia todos os atos de ALIENAÇÃO, de toda a sua família; - Inclusive ela é a grande responsável por implantação de falsas memórias na cabecinha de minha inocente filha, - Ela, é uma ALIENADORA sem noção!