NOSSA LUTA

terça-feira, 3 de julho de 2012

QUANDO O PROBLEMA É DA FAMILIA , O PROFESSOR DEVE AGIR? ... ALIENAÇÃO PARENTAL


A relação família e escola é muito tênue e delicada. Alguns problemas familiares repercutem na vida cotidiana das crianças. E até que ponto o professor tem competência e habilidade para poder intervir?
Esta não é uma decisão fácil de ser tomada, mas envolve diretamente o bem estar físico e emocional delas. Neste sentido o professor e os coleguinhas muitas vezes são o apoio necessário para fortalecer as crianças diante de crises familiares.
Eu mesma já vivencie isto enquanto era professora de educação infantil com crianças de 5 anos, no município de Atibaia no Estado de São Paulo. Os pais de Tiago (nome fictício) estavam se separando e numa situação bastante conturbada. Ele chegava à escola no período da tarde nervoso, agredindo a mim e aos colegas. Muitas vezes chorava muito. Como eu sabia o que estava acontecendo, pois sua mãe me relatava alguns fatos, fui conduzindo este problema com muita conversa e paciência. Não fiz este trabalho sozinha, contei com a ajuda da Direção  e também da terapeuta dele. Em conjunto decidimos realizar algumas brincadeiras onde os sentimentos deveriam ser exteriorizados pelo grupo como um todo.  Aos poucos, e com muito carinho, compreensão do fato e orientação conseguimos amenizar este sofrimento causado pela separação não amigável dos pais.
Não cabe aos professores julgar a questão familiar em si, mas propiciar afeto, atenção, carinho e apoio neste momento difícil é a obrigação de qualquer docente. Porque a criança vai exigir mais atenção e fará isso demonstrando comportamentos como choro, raiva, agressão, etc. A criança não sabem direito o que esta acontecendo, presenciam brigas, xingamentos, ofensas e, pior, elas muitas vezes gostam dos pais e terão que ficar longe de um deles, isto causa medo até em adulto, quanto mais em crianças. Não vivemos num mundo cor de rosa e perfeito, pelo contrário, o “ser ser humano” não é fácil quando não se tem equilíbrio psicológico para lidar com situações de estresse. Isto tudo acaba sendo repassado para as crianças, que vivenciam e não sabem como lidar com a situação, o que pode, sim, repercutir na escola. Estar sempre disponível para estas crianças em especifico, estimular sua expressão de sentimentos, conversar quando quiserem falar sobre o assunto, reforçar o amor dos pais  independente da separação deles. Propiciar segurança são algumas dicas importantes neste período. O cantinho da casinha pode ser utilizado pelas crianças para fantasiar um mundo perfeito e assim vivenciar momentos de superação. Tenham calma, paciência e amor, isto é ser professor.

2 comentários:

mahgaroh disse...

A relação família e escola é muito tênue e delicada. Alguns problemas familiares repercutem na vida cotidiana das crianças. E até que ponto o professor tem competência e habilidade para poder intervir?
Esta não é uma decisão fácil de ser tomada, mas envolve diretamente o bem estar físico e emocional delas. Neste sentido o professor e os coleguinhas muitas vezes são o apoio necessário para fortalecer as crianças diante de crises familiares.

mahgaroh disse...

A Justiça, no entanto, por entender que os irmãos não podem se separados e que dificuldades financeiras não justificam uma exceção, opôs-se, parecendo-me realmente cega, cumprindo burocraticamente o que diz a Lei, sem, mostrar qualquer sinal de bom senso e humanidade e, sobretudo, sem atender o interesse maior da criança.

28 de abril de 2012 ·